04 janeiro 2012

Mundo da moda muda aos poucos o padrão de beleza




Mundo GG invade as passarelas.
O padrão de beleza nem sempre foi o culto a magreza, nos anos 40 e 50, a beleza da mulher consistia em cabelos loiros, cacheados e curvas acentuadas, mais femininas, época em que a mais sexy era Marilyn Monroe e Elisabeth Taylor. Já nos anos 60 e 70, passa a cultuar a magreza excessiva que surgiu no movimento hippie com a modelo Twiggy. Nos anos 80 e 90 a moda era ter o corpo bem definido, magro e atlético. Na primeira década de 2000 a moda era, e ainda é, modelos altas e de magreza estrema, o que pode prejudicar a saúde, pois precisam manter o corpo com dietas e inibidores de apetite, e segundo nutricionistas não é uma dieta saudável.

Hoje, no século XXI, as mulheres buscam um corpo malhado, bem torneado por musculações exageradas, uso de silicones, bronzeamentos artificiais, loiras e de cabelos lisos, ou seja, completamente fora dos padrões mais naturais das décadas de 40 e 50, nas quais as modelos e atrizes da época, seriam consideradas gordas e fora do padrão da mídia e das passarelas. Com algumas 'revoluções' feitas por algumas propagandas de TV, tais como a Avon, Natura e Dove, e a famosa revista Vogue, isso tende a mudar daqui a alguns anos, o padrão de beleza no futuro poderá ser bem mais natural, sem a necessidade de dietas mirabolantes, inibidores e musculações exageradas.
O mercado de modelos Plus Size no Brasil está crescendo aos poucos, os padrões de modelos estão mudando e as gordinhas estão ganhando as páginas de revistas, propagandas de TV e o mundo fashion, claro que no Brasil ainda não houve capa de revista com elas. Um grande exemplo disso é a modelo Fluvia Lacerda, considerada a Gisele Bündchen “Plus Size”,  tem muito sucesso no ramo da moda GG mundial, já foi estrela de marcas famosas deste segmento, tais como Kmart e Biluzik. A carioca foi escolhida pela fundadora da Semana de Moda Plus Size de Nova York pelo empenho em promover o segmento de moda GG pelo mundo.

A Vogue teve a coragem de colocar uma modelo Plus Size na capa e nem por isso ficou sem o prestígio da sociedade, no Brasil ainda acreditam em um único tipo de modelo, as magérrimas que não se enquadram na realidade feminina, pois essas modelos são, em sua maioria, adolescentes entre 14 e 19 anos com peso muito abaixo do normal. Modelos entre 14 e 20 anos, pesando 20 quilos a menos do considerado saudável pela Organização Mundial da Saúde, mas isso vem mudando, graças a um novo mercado que esta ganhando força na mídia mundial, as modelos “Plus Size”.
O mercado estrangeiro já tem o conhecimento de que não se pode vender um produto maravilhoso para poucas mulheres, já que a maioria usa manequim maior daqueles das passarelas. Claro que as grandes revistas brasileiras ainda não aceitam, mas como já esta alterando no exterior, logo terá um mercado maior grande aqui no Brasil também.
De forma subliminar, a mídia mostra constantemente um tipo físico magérrimo como padrão de beleza, modelos jovens, com beleza incomum e muito abaixo do peso, como um algo que deveria ser seguido. Entretanto cada ser humano tem sua própria beleza, hoje as mulheres querem ter um corpo diferente do seu e sonham em ser eternamente jovens, esquecendo que a beleza está presente de formas diferentes em cada idade.
A maioria das mulheres querem ser o que não são, têm medo de envelhecer e não serem aceitas pela sociedade. Quem mais tem sofrido com esta situação são as adolescentes, que querem ter o corpo de uma "Barbie" e ser modelo, viver no mundo da moda e das passarelas, uma carreira promissora, mas curta, pois pouquíssimas modelos têm sucesso depois dos 20 anos por serem consideradas “velhas” demais para as passarelas ou quando engordam alguns quilinhos.

Como cultuar o extremamente magro e a juventude eterna, se um dia a idade chega? Se a mulher não se sente bonita e atraente, fica depressiva e consequentemente não é feliz, o espelho torna-se seu torturador pessoal, seus sonhos tornam-se pesadelos e etc. Se esquecem que cada idade tem sua beleza, até mesmos as idosas tem uma beleza peculiar que não tem em nenhuma outra idade. Deve-se ter consciência do corpo que possui, seu tipo físico, suas curvas, tom de pele e de cabelo. Manter-se sempre saudável é imprescindível para ser feliz, pois, sabe-se que quem está um pouco acima do peso nem sempre significa que a pessoa não tenha saúde, é apenas o tipo físico dela. Não estamos aqui para cultuar a obesidade mórbida, tudo em excesso prejudica a saúde, quem não tem tempo pode trocar a escada rolante pela comum, descer um ponto antes e caminhar até o local de destino, 10 ou 15 minutos não é muito, mas já ajuda, só não pode ficar parado o tempo inteiro, uma rotina saudável exercícios como caminhada, corrida, até mesmo os 10 minutos que tenha disponível para isso.

Aceite você mesma do jeito que é e pare de querer algo que não pode possuir. Procure aceitar como você é e ter uma vida saudável!